terça-feira, 22 de maio de 2018

TRÊS CONDIÇÕES INDISPENSÁVEIS DE TRUMP PARA AJUSTAR O ACORDO COM O IRÃ

O que Dita a Impressionante Proeza do Mossad


- O que os defensores de diversas tendências do acordo nuclear com o Irã não conseguiram compreender é a singela distinção: a diferença entre suspeitas e confirmação. A AIEA baseou suas avaliações em "mais de mil páginas" de documentos, agora temos cem mil.

- Ademais, esses documentos são na verdade cem mil confissões assinadas pelo regime iraniano de que ele pretende desenvolver armas nucleares e montá-las em mísseis fabricados pelo próprio país. As mentes pequenas dos defensores do acordo são simplesmente incapazes de captar a magnitude histórica da descoberta do Mossad.---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

A foto do primeiro-ministro israelense, Benjamin Netanyahu, em pé diante de dois monitores, um com pastas com arquivos e o outro com CDs, simboliza provavelmente a maior proeza na história da espionagem: a aquisição pelo Mossad do arquivo do programa iraniano para desenvolver armas nucleares. Em segundo lugar ficaria a informação disponibilizada sobre a Operação Overlord, a invasão da França pelos Aliados no final da Segunda Guerra Mundial, fornecida por Elyesa Bazna de Ancara e Paul Fidrmuc de Lisboa.

A Alemanha nazista se deu mal por errar em não tomar providências baseadas nas informações sobre o planejado local de desembarque do Dia D. Ela caiu na cilada ao acreditar nas informações falsas fornecidas por um suposto espião que trabalhava para os Aliados. O paralelo a esse erro é a presente corrida de políticose os assim chamados especialistas que fazem de conta que a proeza do Mossad não apresenta nada de novo e que meramente prova ainda mais a importância da assinatura do acordo. Eles alegam, acima de tudo, que antes do acordo ter sido anuído, a Agência Internacional de Energia Atômica (AIEA) já tinha conhecimento extensivo dos detalhes do que as novas informações revelam.

O que os defensores de diversas tendências do acordo nuclear com o Irã não conseguiram compreender é a singela distinção: a diferença entre suspeitas e confirmação. A AIEA baseou suas avaliações em "mais de mil páginas" de documentos, agora temos cem mil.

Ademais, esses documentos são na verdade cem mil confissões assinadas pelo regime iraniano de que ele pretende desenvolver armas nucleares e montá-las em mísseis fabricados pelo próprio país. As mentes pequenas dos defensores do acordo são simplesmente incapazes de captar a magnitude histórica da descoberta do Mossad.

Foto: duas imagens do arquivo nuclear secreto do Irã, conforme apresentado ao público pelo primeiro-ministro israelense Netanyahu em 30 de abril de 2018. No que pode ser considerada a maior proeza na história da espionagem, o Mossad de Israel adquiriu mais de 100 mil documentos do arquivo do programa iraniano para desenvolver armas nucleares. (Foto de Israel GPO)


Além do próprio Netanyahu, a figura mais importante a entender a magnitude da descoberta é o presidente Donald Trump. Em fevereiro de 2018 Trump informou aos três países europeus que integram o acordo com o Irã sobre as falhas que ele pretende corrigir, para que possa continuar validando o acordo. Conforme informação da Reuters na época:

"Trump vê três problemas no acordo: impossibilidade de abordar o programa de mísseis balísticos do Irã, os termos sob os quais inspetores internacionais possam averiguar as instalações nucleares iranianas suspeitas e cláusulas de "extinção" segundo as quais os limites do programa nuclear iraniano começam a expirar após 10 anos. Ele quer fortalecer os três aspectos do acordo para que os Estados Unidos permaneçam nele".

A proeza do Mossad transformou as três propostas de Trump em três imperativos, não apenas para os europeus, mas também para os dois outros países participantes do acordo: Rússia e China. (A Rússia em particular precisa entender que as cidades mais importantes da Rússia estão ao alcance dos mísseis do Irã.) Ou seja, para que o acordo seja mantido, as cláusulas de extinção devem ser canceladas, a AIEA deve ter liberdade de inspecionar o que quer que seja e a capacidade dos mísseis de longo alcance deve ser reduzida. Isso porque o Mossad também forneceu cem mil confissões assinadas segundo as quais o regime iraniano retomará e completará seus planos de desenvolvimento de mísseis armados com ogivas nucleares assim que o acordo o permitir, na verdade autorizar.
Por: Malcolm Lowe é um acadêmico galês especializado em filosofia grega, Novo Testamento e as relações cristãs-judaicas. Ele é conhecedor da realidade de Israel desde 1970. 8 de Maio de 2018
Tradução: Joseph Skilnik  Do site: https://pt.gatestoneinstitute.org

sexta-feira, 18 de maio de 2018

GOVERNO ESCONDEU PESQUISA SOBRE USO DEFENSIVO DE ARMAS NOS USA


O resultado foi exatamente o que eles não esperavam: em média as armas de fogo foram usadas para legítima defesa 2,46 milhões de vezes por ano, enterrando de vez a falsa narrativa de que as armas de fogo são instrumentos de ataque e não de defesa.

Em 1995 os professores Gary Kleck e Marc Gertz publicaram o estudo Armed Resistance to Crime: The Prevalence and Nature of Self-Defense with a Gun (1) que estimava que as armas de fogo eram usadas para defesa mais de duas milhões de vezes por ano nos Estados Unidos. Tal estudo, claro, recebeu fortes críticas das organizações e entidades antiarmas e acabou tachado como sendo apenas mais uma tentativa do lobby da NRA em provar as suas teses pró-armas, mesmo o escritório da ONU para Drogas e Crimes (UNODC) tendo aceitado o estudo como verdadeiro e confiável em seu relatório Global Study on Homicide (2), publicado em 2011.

John Lott, um dos maiores e mais conceituados estudiosos sobre o tema, dedica todo um capítulo intitulado “Como o governo trabalha contra a propriedade de armas – A limitação da pesquisa governamental sobre armas” em seu livro Preconceito Contra as Armas (3), publicado no Brasil pela Vide Editorial, para mostrar como o governo (americano) trabalha contra a propriedade de armas, patrocinando pesquisas e estudos quando imbuídas de demostrar, única e exclusivamente, o lado negativo da posse e porte de armas. Embora o autor afirme que isso ocorre tanto em governos comandados por Democratas quanto por Republicanos, é inegável que os governos Democratas, em especial o de Bill Clinton, foram de longe os que mais utilizaram esse subterfúgio na tentativa de embasar suas posições ideológicas. Foi exatamente por esse motivo que o Congresso Americano vetou a liberação de verbas públicas para o The Centers for Disease Control and Prevention (CDC) quando a pesquisa tem como objetivo embasar argumentos contra a Segunda Emenda à Constituição Americana, que garante ao povo o direito de possuir e usar armas. Como veremos a seguir, o Congresso estava absolutamente certo em fazer isso.

Em fevereiro deste ano – 2018 –, o professor Gary Kleck, citado no início do texto, divulgou um artigo bombástico (4): o CDC realizou uma pesquisa sobre o uso defensivo de armas de fogo e simplesmente escondeu o resultado! Nos anos de 1996, 1997 e 1998 milhares de pessoas foram abordadas com a seguinte pergunta: "Nos últimos doze meses, você confrontou outra pessoa com uma arma de fogo – mesmo que não tenha atirado – para se proteger, proteger sua propriedade ou outra pessoa?". A pergunta estava inserida em uma outra pesquisa mais ampla e passou despercebida por anos. O resultado foi exatamente o que eles não esperavam: em média as armas de fogo foram usadas para legítima defesa 2,46 milhões de vezes por ano, enterrando de vez a falsa narrativa de que as armas de fogo são instrumentos de ataque e não de defesa.

O objetivo real do CDC me parece bastante óbvio ao inserir tal pergunta exatamente nos anos seguintes à publicação do estudo de Kleck e Gertz: desmoralizar o resultado pró-legítima defesa. Uma vez que o resultado foi exatamente o mesmo, ou seja, apontava para a eficácia defensiva das armas em posse dos cidadãos, não pensaram duas vezes em varrer para baixo do tapete a inoportuna e constrangedora constatação e nunca mais ousaram repetir o questionamento em suas pesquisas sobre o assunto…

O artigo de Kleck tem repercutido muito nos blogs pró-armas e na imprensa independente americana, mas, como sempre, há um silêncio sepulcral na grande mídia. Vale aqui, mais uma vez, uma citação do Preconceito contra as armas: “Certos eventos serão certamente considerados mais ‘noticiáveis’ do que outros: um corpo morto ganhará mais atenção do que uma pessoa ferida, que por sua vez ganhará mais atenção do que simples exibição de uma arma, seguida pela fuga do criminoso”. Aparentemente, o fato de existir um estudo onde sangue inocente não escorre pelas páginas não o torna “vendável” ideologicamente.

A grande lição que fica é voltada àqueles economicistas e tecnocratas que incensam o deus-estatística, adotando como verdade absoluta e incontestável os estudos produzidos por órgãos “imparciais” como, por exemplo, o nacional IPEA. Eles acreditam que o mundo é feito de números e planilhas, descartando a inevitável falibilidade humana e, principalmente, acreditam na ideia de que possa existir um governo imparcial, justo e incorruptível ideologicamente.
Por Redação 07/05/2018 às 15:46 Bene Barbosa Do site: http://www.cadaminuto.com.br

Fontes:
_____________________________________________________________________

Quer ajudar nessa luta pelo seu direito de defesa? Faça sua doação no meu Patreon!

Doação a partir de $1 por mês!

sábado, 12 de maio de 2018

AS ALMAS DOS NEGÓCIOS

Facebook e YouTube são não ONGs piedosas, e nós não os usamos desinteressadamente


Todas as utopias terminam em distopias. O que é verdadeiro para a política é igualmente verdadeiro para a tecnologia. Ainda me lembro quando especialistas vários diziam que as “redes sociais” simbolizavam uma nova aurora na história da humanidade.

O Facebook, por exemplo, iria levar a democracia ao Oriente Médio; e o YouTube (eu sei, é uma “mídia social”, não uma “rede social”) também serviria propósitos democráticos. No caso, permitindo que cada pessoa pudesse ser estrela por um dia —ou por vários dias.
O presidente e fundador do Facebook, Mark Zuckerberg - Esteban Felix - 19,nov.2016/AP

Acontece que as utopias, políticas ou tecnológicas, têm sempre um problema de base: o macaco primitivo que há em nós. Ou, para ser rigoroso, os macacos: aqueles que controlam as “redes” e aqueles que usam as “redes”.

Sobre os controladores, não era preciso ser um gênio para perceber que não há almoços grátis. Mark Zuckerberg não criou o Facebook para unir famílias distantes, aproximar amigos com os mesmos gostos ou promover debates livres sobre política ou gastronomia.

O Facebook vende os dados dos seus utilizadores e as empresas compram esses dados para venderem produtos de uma forma, digamos, mais “personalizada”.

Além disso, os macacos que usam as “redes” também não o fazem desinteressadamente. As “redes” servem para alimentar e potenciar o “ser narcísico” que todos temos de uma forma nunca antes vista.

E, nesse quesito, entre a privacidade ou a vaidade, a maioria nem hesita: a gratificação instantânea dos “likes” e dos comentários sempre foi mais forte do que as virtudes silenciosas do recato.

No último escândalo do Facebook —o uso indevido de informação de usuários para fins de propaganda eleitoral— as culpas são repartidas por todas as partes: pela empresa, que não protegeu os dados; pela Cambridge Analytica, que os usurpou sob falsos pretextos; e pelos próprios utilizadores, que revelam sempre mais do que é prudente ou desejável.

Mas o Facebook não é caso único. Essa semana, uma mulher de 39 anos, Nasim Aghdam, entrou na sede do YouTube, no norte da Califórnia, para se vingar. Mas vingar de quê?
1 4
Tiros na sede do YouTube

De “discriminação”, disse a própria, antes de ferir três pessoas a tiro e de se matar a seguir. No Youtube, a sra. Aghdam esperava encontrar uma fonte de rendimento com seus vídeos vegan em defesa dos animais.

Só que esse rendimento, tal como o rendimento do Facebook, não vem por caridade; implica um número generoso de visualizações para que as empresas estejam dispostas a fazer publicidade no vídeo do candidato a estrela.

Se tivermos em conta que 300 novas horas de filmagens são disponibilizadas no canal a cada minuto —repito, minuto—, não é preciso dizer mais nada.

É por isso que, em rigor, o YouTube não serve para criar “estrelas” (embora elas existam como grãos de areia no deserto). Mas serve, com grande eficácia, para criar milhões de seres humanos ressentidos que desejam mais, muito mais do que 15 segundos de fama.

Se os recentes incidentes com o Facebook e o YouTube servirem de lição para milhões de otários; e se essas empresas, muito legitimamente, assumirem o que são —modelos de negócio e não ONGs piedosas— talvez nem tudo esteja perdido.
Por: João Pereira Coutinho  Do site: https://www1.folha.uol.com.br

quinta-feira, 10 de maio de 2018

EXAUSTÃO DA CIVILIZAÇÃO DA EUROPA

- O Islã está ocupando o vácuo cultural de uma sociedade sem filhos e que acredita, erroneamente, que não tem inimigos.


- Por volta de 2050, virtualmente uma em cada três pessoas que estejam vivendo na Suécia será muçulmana.

- A grande massa europeia agora parece acreditar que o "mal" se origina apenas de nossos próprios pecados: racismo, machismo, elitismo, xenofobia, homofobia, a culpa do homem heterossexual ocidental branco, jamais das culturas não europeias. De modo que a Europa agora postula a infinita idealização do "outro", acima de tudo do migrante.

- Extremistas muçulmanos sabem que estão por cima: desde que não cometam outro massacre nas proporções do 11 de setembro, eles poderão continuar assassinando pessoas e carcomendo o Ocidente sem despertá-lo da inércia.
--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Em uma profética conferência realizada em Viena em 7 de maio de 1935, o filósofo Edmund Husserl já previa: "o maior perigo diante da Europa é a fadiga". Oitenta anos depois, a mesma fadiga e a mesma passividade ainda dominam as sociedades da Europa Ocidental.

A exaustão que vemos nos europeus: taxa de natalidade despencando, expansão desenfreada da dívida pública, caos nas ruas e recusa da Europa em investir em recursos de segurança e poderio militar. No mês passado, em um subúrbio de Paris, a Basílica de Saint Denis, onde os reis cristãos da França estão enterrados, foi ocupada por 80 migrantes e ativistas pró-imigração ilegal. A polícia teve que intervir para que o local fosse liberado.
Foto: a polícia francesa retirando alguns dos 80 migrantes e ativistas pró-imigração ilegal que ocuparam a Basílica de Saint Denis em 18 de março de 2018. (Imagem: captura de tela de vídeo, YouTube/Kenyan News & Politics)

Stephen Bullivant, professor de teologia e sociologia da religião da Universidade St. Mary em Londres, publicou recentemente o seguinte ensaio: "Jovens e Religião na Europa":

"O cristianismo como padrão, como norma, já era e provavelmente para sempre ou pelo menos para os próximos 100 anos", ressaltou Bullivant.

Segundo Bullivant, muitos jovens europeus "terão sido batizados e nunca mais passarão pela porta de uma igreja". Identidades religiosas culturais simplesmente não estão sendo passadas de pais para filhos. As identidades ficam de fora, alheias... "E sabemos que a taxa de natalidade dos muçulmanos é maior do que a da população em geral e eles têm níveis de retenção (religiosa) muito mais elevado".

Richard Dawkins, ateu e autor do livro The God Delusion, reagiu via Twitter ao lançamento do estudo a milhões de seguidores:

Antes de nos regozijarmos com a agonia da religião cristã, relativamente benigna, não nos esqueçamos das palavras ameaçadoras do poema de Hilaire Belloc:
"fique sempre ao lado da babá
para que nada de mal lhe aconteça."

Ao que tudo indica, Dawkins está preocupado com o fato de que, após o desaparecimento do cristianismo na Europa, não haverá uma utopia ateísta mas sim a ascensão do Islã.

Esse é o ponto principal do livro A Confusão Moral do Ocidente ("Le Dérèglement moral de l'Occident") de Philippe Bénéton: o Islã está ocupando o vácuo cultural de uma sociedade sem filhos e que acredita, erroneamente, que não tem inimigos.

Segundo a Radio Sweden, menos recém-nascidos estão sendo batizados naquele país devido à transição demográfica. Por volta de 2050, virtualmente uma em cada três pessoas que estejam vivendo na Suécia será muçulmana, de acordo com um recente levantamento do Pew Research Center.

A grande massa europeia agora parece acreditar que o "mal" se origina apenas de nossos próprios pecados: racismo, machismo, elitismo, xenofobia, homofobia, a culpa do homem heterossexual ocidental branco, jamais das culturas não europeias. De modo que a Europa agora postula a infinita idealização do "outro", acima de tudo do migrante. A tradição e o legado da civilização ocidental são seccionados item a item para que não sobre nada, nossos valores são ridicularizados e nosso instinto de sobrevivência inibido. É um processo de decomposição, as autoridades políticas da Europa parecem ter decidido evitar desavenças, como se isso fosse inevitável. Agora a União Europeia espera receber o próximo tsunami de migrantes da África.

A chanceler alemã Angela Merkel em seu influente discurso no Bundestag (parlamento da República Federal da Alemanha) após o inusitado, longo e difícil processo de formar o novo governo, adotou um tom conciliador no tocante à imigração, ao mesmo tempo em que apresentava uma mensagem inclusiva em relação ao Islã. "Com 4,5 milhões de muçulmanos vivendo entre nós, sua religião, o Islã, também se tornou parte da Alemanha", enfatizou ela.

A política mais poderosa da Europa capitulou: ela evidentemente esqueceu (de novo) a diferença entre direitos civis dos indivíduos, que os cidadãos muçulmanos desfrutam na Alemanha e as raízes da identidade nacional, na qual a Europa se baseia: valores humanistas, judaico-cristãos. Essa constatação pode explicar porque uma semana antes o novo ministro do interior da Alemanha, Horst Seehofer, realçou que "a Alemanha foi modelada pelo cristianismo" e não pelo Islã.

A fadiga da Europa também pode ser vista no conflito de gerações incorporado ao alarmante aumento da dívida pública. Na Itália, o establishment político foi recentemente abalado pela eleição de dois grandes partidos populistas. É um país com uma dívida pública de 40 mil euros per capita e uma carga tributária de 43,3% do PIB. A idade média da população ocupa o terceiro lugar da mais idosa do mundo, em conjunção com uma das menores taxas de natalidade do planeta, uma das aposentadorias com menor idade da Europa e o maior gasto do mundo ocidental com a previdência social em relação ao PIB. A Itália também é um país onde as pensões são responsáveis por um terço de todas as despesas públicas, onde a percentagem de pensionistas em relação aos trabalhadores na ativa saltará dos 37% de hoje para 65% em 2040 (de três trabalhadores que sustentam um pensionista para três trabalhadores que sustentarão dois pensionistas).

A ameaça islamista a essa sociedade exaurida e decadente poderá ser crucial. Somente a população cristã da Europa é estéril e envelhecida. A população muçulmana é fértil e jovem. "De 2010 a 2015, na maioria dos países europeus, incluindo a Inglaterra, Alemanha, Itália e Rússia, a morte de cristãos já superava o nascimento de cristãos ", conforme ressalta o Wall Street Journal.

Ataques terroristas continuarão na Europa. Recentemente em Trèbes, no sul da França, um jihadista fez reféns em um supermercado, alegando lealdade ao ISIS. Parece que as sociedades europeias se consideram tão fortes e tão capazes de absorverem a imigração em massa de tamanha extensão, que nada as impedirá de acreditar que não possam assimilar e administrar atos terroristas, assim como assimilam e administram as fatalidades de acidentes automobilísticos e desastres naturais. A exaustão também parece ser o motivo pelo qual esses países não tomam as medidas necessárias para derrotar o jihadismo, como por exemplo o fechamento de mesquitas salafistas ou a expulsão de imãs radicais.

Extremistas muçulmanos sabem que estão por cima: desde que não cometam outro massacre nas proporções do 11 de setembro, eles poderão continuar assassinando pessoas e carcomendo o Ocidente sem despertá-lo da inércia. O cenário mais provável é que tudo continue como está: a fissura interna da Europa, duas sociedades paralelas e o achincalhamento da cultura ocidental. Item a item, a sociedade europeia parece estar, irreparavelmente, se fragmentando.
Por Giulio Meotti 3 de Maio de 2018 Editor Cultural do diário Il Foglio, é jornalista e escritor italiano Original em inglês: Europe's Civilizational Exhaustion
Tradução: Joseph Skilnik  Do site: https://pt.gatestoneinstitute.org

quarta-feira, 9 de maio de 2018

FRANÇA: EM BREVE SEM JUDEUS?

Hoje, a França é o único país do mundo ocidental onde os judeus são assassinados simplesmente por serem judeus.


Os judeus podem até ser as principais vítimas, mas não são as únicas. Em apenas cinco anos, 250 pessoas foram assassinadas na França por terroristas islâmicos.

O principal problema é a disseminação do ódio contra os judeus, contra a França e contra o mundo ocidental. Muitos extremistas muçulmanos estimulam assassinatos e cada vez mais assassinatos são cometidos.
--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

No ano passado, em 4 de abril de 2017, em Paris, Sarah Halimi, uma médica judia, idosa, aposentada, foi torturada com requintes de crueldade e depois assassinada em sua casa em Paris, em seguida ela foi jogada pela janela por um homem que gritava "Allahu Akbar" ("Alá é o maior"). Por diversas diversas vezes ela registrou queixa na polícia que havia sido alvo de ameaças antissemitas - em vão.

Menos de um ano depois, também em Paris, outra idosa - com necessidades especiais - judia, de nome Mireille Knoll, foi estuprada, torturada e por fim assassinada em seu apartamento por outro extremista muçulmano. A Sra. Knoll, sobrevivente do Holocausto, também havia registrado queixa na polícia informando que tinha sido ameaçada. E mais uma vez, a polícia nada fez.

Durante meses, o sistema de justiça francês procurou acobertar a essência antissemita do assassinato de Sarah Halimi, o juiz encarregado do caso de Mireille Knoll pelo menos reconheceu de pronto o espírito antissemita do assassinato.

Mireille Knoll, judia, idosa com necessidades especiais, sobrevivente do Holocausto, foi recentemente estuprada, torturada e assassinada em seu apartamento por um extremista muçulmano. (Imagem: família Knoll)


Ambas foram vítimas do ódio antissemita que está avançando celeremente na França.

Os judeus franceses vivem constantemente com a sensação de insegurança. Os homens que as matam obviamente não hesitam em invadir residências e atacar idosas, eles sabem que podem ameaçar suas futuras vítimas sem medo de serem presos. Na maioria das vezes, a polícia sequer registra as queixas de judeus que se apresentam na delegacia, os funcionários simplesmente fazem anotações no livro de ocorrências diárias de que um judeu alegando ameaças apareceu e foi embora.

As autoridades francesas dizem que estão combatendo o antissemitismo, mas elas nunca se referem ao único antissemitismo que mata judeus hoje na França: o antissemitismo islâmico. Se o assassino é muçulmano, ele é geralmente descrito como se tivesse sido "radicalizado" de uma hora para outra.

A palavra "radicalizado" é usada agora para retratar muçulmanos assassinos. Ela possibilita se abster de usar os termos "muçulmano" ou "Islã".

A grande mídia francesa usa a mesma linguagem que as autoridades francesas. Quando vizinhos de um assassino são entrevistados, eles costumam dizer que ele era "um cara legal".

Não houve praticamente nenhuma cobertura da mídia sobre o assassinato de Sarah Halimi logo após o ocorrido. Havia outras particularidades em relação ao assassinato de Mireille Knoll, mas virtualmente nenhuma delas se referia à motivação do assassinato.

O medo que neutraliza os políticos e jornalistas franceses é o seguinte: ser acusado de "islamofobia".

De todos os incontáveis livros sobre o perigo e as consequências do antissemitismo publicados na França desde a Segunda Guerra Mundial, apenas um lida especificamente com o ódio aos judeus no mundo muçulmano. Philippe Simonnot, que escreveu o livro, ex-jornalista do diário Le Monde, na realidade, justifica esse ódio. Ele afirma (erroneamente) que os judeus que viviam em países muçulmanos eram bem tratados, mas depois eles traíram o Islã ao não lutarem nas fileiras dos muçulmanos no período da colonização ocidental, que a criação de Israel foi um crime contra os pobres "palestinos" e que os muçulmanos têm o direito de punirtodos os cristãos e judeus. São concepções nada insignificantes. Na França, elas são amplamente difundidas.

Toda vez que um crime antissemita é cometido por um muçulmano em território francês, políticos e jornalistas franceses procuram ocultar quem cometeu o crime ou quais foram suas motivações. Não é raro eles salientarem que o criminoso é "vítima" também.

Quando um criminoso deixa um comunicado dizendo que ele agiu para vingar o sofrimento dos "palestinos", políticos e jornalistas franceses quase unanimementerepetem que o que acontece no Oriente Médio deve se limitar ao Oriente Médio, para então ressaltar que "uma solução justa" deve ser encontrada para o "sofrimento palestino". Eles não levam em conta que, não obstante todos os esforços empreendidos por Israel para tratar humanamente os árabes, todos os relatos franceses sobre Israel começam fazendo duras críticas aos soldados israelenses como se eles fossem assassinos implacáveis, ao que consta, felizes por humilharem os árabes.

Hoje, a França é o único país do mundo ocidental onde os judeus são assassinados simplesmente por serem judeus. Desde 2006, onze judeus franceses foram mortos - homens, mulheres e crianças. Na escola Ozar Hatorah em Toulouse, em março de 2012, crianças de três, seis e oito anos de idade foram mortas a tiros à queima-roupa.

Giulio Meotti escreveu:

"Se fossem muçulmanos, o caso teria se transformado em advertência universal contra a intolerância, racismo, ódio étnico e religioso... Políticos teriam dado o nome deles a ruas e escolas".

Mas eles eram judeus, de modo que na França, quando se trata de antissemitismo, não se dá nome aos bois.

Algumas semanas atrás, no jantar anual organizado pela organização judaica CRIFem Paris, o presidente Emmanuel Macron ressaltou que a França está em guerra contra o antissemitismo. Na esteira do assassinato de Mireille Knoll, ele disse a mesma coisa.

Durante décadas todos os presidentes franceses fizeram uso, a grosso modo, das mesmas palavras.

Macron repetiu inúmeras vezes que "sem judeus a França não seria mais a França". Ao que tudo indica, no entanto, é exatamente isso que está acontecendo: uma França sem judeus.

Em duas décadas, mais de 20% dos judeus franceses deixaram o país. Segundo um levantamento, 40% dos judeus que ainda vivem na França querem ir embora. Embora os judeus representem no momento pouco menos de 0,8% da população francesa, metade dos militares e policiais destacados nas ruas da França montam guarda em frente a escolas e lugares de culto judaicos.

Judeus franceses veem que o que ainda resta da presença judaica na França está sendo apagada. Eles sabem que precisam esconder que são judeus e que, mesmo calejados e acostumados aos perigos da cidade grande e, mesmo que tranquem cuidadosamente as portas de suas residências, os perigos estão em tudo quanto é canto. Eles também estão cientes que o que acontece com eles não interessa ao restante da população francesa. A Assembleia Nacional Francesa tem 577 membros. Somente um deles Meyer Habib chama a atenção, incansável e corajosamente, para o que está acontecendo. Ele representa os franceses que vivem no Oriente Médio e foi eleito graças ao apoio dos judeus franceses que agora vivem em Israel, mas ainda mantêm a cidadania francesa. Sem eles, ele não teria a menor chance de ser eleito.

Após o assassinato de Sarah Halimi, foi organizada uma homenagem a ela na rua onde morava. Somente judeus compareceram. Eles foram recebidos com insultos e garrafas arremessadas pelas janelas dos edifícios.

Quando as instituições judaicas convocaram uma marcha silenciosa em memória à Mireille Knoll, mais pessoas compareceram. A maioria era de judeus. Gilles-William Goldnadel, presidente dos Advogados Sem Fronteiras e advogado da família Knoll, disse que o marido de Mireille Knoll, já falecido, era sobrevivente de Auschwitz e que seus filhos viviam atormentados, o tempo todo, com a memória do Holocausto, e o quão "terrível" deve ter sido para eles verem sua mãe assassinada e seu corpo queimado. Um dos filhos de Mireille Knoll, Daniel, disseque "os muçulmanos devem reagir".

Organizações muçulmanas francesas condenaram o assassinato, mas não o ódio aos judeus.

Um estudo realizado para Fondapol (Fundação para a Inovação Política) em 2014 mostrou que 25% da população francesa abraça sentimentos antissemitas e que entre os muçulmanos praticantes, a proporção é de 42%. Segundo o estudo, 28% dos muçulmanos franceses são totalmente contra o ensino do Holocausto nas escolas. Muitos dizem que o Holocausto é uma invenção dos judeus.

Os judeus podem até ser as principais vítimas, mas não são as únicas. Em apenas cinco anos, 250 pessoas foram assassinadas na França por terroristas islâmicos - as últimas vítimas foram baleadas horas antes do corpo de Mireille Knoll ser descoberto entre os destroços de seu apartamento.

Em 23 de março, um terrorista islâmico francês matou quatro pessoas em Trèbes, uma cidadezinha no sudoeste da França. Uma das vítimas foi um oficial de alta patente da gendarmaria (corpo de soldados da força policial na França) que tomou o lugar de um refém, ele foi esfaqueado até a morte com uma faca de açougueiro. O terrorista foi morto a tiros.

Os principais meios de comunicação franceses ocultaram o fato do oficial ter sido esfaqueado até a morte, eles disseram que ele tinha sido "golpeado no pescoço". O terrorista, que gritou "Allahu Akbar" não foi retratado como islamista, e sim, obviamente, como um homem "radicalizado". O Ministério do Interior da França salientou que ele era considerado extremamente perigoso e que estava sendo "monitorado de perto" pela polícia. Milhares de pessoas "radicalizadas" consideradas extremamente perigosas estão sendo "monitoradas de perto" pela polícia.

Quando um batalhão de polícia chegou ao bairro onde o terrorista morava, os policiais foram recepcionados por arruaceiros.

Muitos franceses consideram o oficial de alta patente assassinado, Arnaud Beltrame, um herói. Em Paris foi prestada a ele uma solene homenagem. Enquanto transcorria a homenagem, milhares de jovens muçulmanos se aglomeravam nas ruas exaltando o terrorista, entoando seu nome, Radouane Lakdim. "Para muitos jovens muçulmanos, o terrorista é um herói", salientou Thibault de Montbrial, presidente do Centro de Reflexão sobre Segurança Interna.

No dia seguinte ao ataque islâmico em Trèbes, o porta-voz do governo francês ressaltou que a França tinha o dever moral de receber de braços abertos e "reintegrar" 258 ex-membros franceses do derrotado Estado Islâmico que se encontram no momento presos na Síria. Ao que tudo indica esta é a plena e integral concepção do governo francês no tocante ao seu dever moral.

Há poucos dias, foi publicado um "alerta de 100 intelectuais contra o separatismo islâmico" no Le Figaro. O texto acusa os muçulmanos de procurarem "separar a população muçulmana do restante da população francesa".

Grande parcela da população muçulmana da França já vive separada do restante da população francesa. Ela se auto-segrega. O principal problema, no entanto, não é a auto-segregação. O principal problema é a disseminação do ódio contra os judeus, contra a França e contra o mundo ocidental. Extremistas muçulmanos estimulam assassinatos e cada vez mais assassinatos são cometidos. Eles não querem viver separadamente: eles querem destruir, devastar e conquistar. Basta olhar para a história da Turquia, de todo o norte da África, de todo o Oriente Médio, da Europa Oriental, Grécia, Portugal, norte do Chipre e sul da Espanha.

No ano passado, o historiador Georges Bensoussan, nascido e criado no norte da África, publicou um livro com o título Uma França Submissa. O título parece preciso demais.

Os franceses finalmente se revoltarão? Um levantamento publicado em 29 de março mostra que 83% dos franceses são a favor da expulsão de todos os estrangeiros fichados no "Arquivo S" dos serviços de inteligência, cujos portadores são considerados uma ameaça à segurança nacional. O levantamento também mostrou que 87% dos franceses são a favor de mandar cidadãos franceses fichados no "Arquivo S" para a cadeia. No entanto, o governo francês não mostrou nenhum interesse em nada disso.
Por: Dr. Guy Millière, professor da Universidade de Paris, é autor de 27 livros sobre a França e a Europa. 1 de Maio de 2018
Original em inglês: France: Soon with No Jews?
Tradução: Joseph Skilnik Do site: https://pt.gatestoneinstitute.org

segunda-feira, 7 de maio de 2018

DECADÊNCIA SOCIAL E DECADÊNCIA PESSOAL


Um guru indiano foi preso por abusar sexualmente de uma mocinha, sob o pretexto de exorcizá-la. O mesmo já aconteceu com pastores protestantes, aos magotes, Brasil afora, e certamente pais de santo, padres e monges budistas já caíram na mesma tentação, com desculpas igualmente esfarrapadas. Isto é assim porque a natureza humana é sempre a mesma e, deixada livre, leve e solta, ela cairá nos mesmos truques baixos. Sexo, comida e conforto físico vão sempre chamar o homem, e quem não fizer um esforço consciente e constante para fechar os ouvidos cairá nos encantos dessas lamentáveis sereias.

O mesmo acontece coletivamente, é claro, e é assim que as sociedades despencam na queda livre final da decadência. Sexo, muito sexo; assim foi o fim da Roma antiga, com orgias e mais orgias preenchendo as nobres agendas dos cidadãos enquanto os bárbaros batiam às portas. Comidas, comidas complicadas, comidas em farta quantidade, comidas que procuram proporcionar muito mais que alimentação prazerosa e oportunidade de companhia. Aliás, falando de companhia, a comida viciosa da decadência, pessoal ou civilizacional, frequentemente é solitária, como o que se passa por sexo. No sexo têm-se, na melhor das hipóteses, desconhecidos que dão prazer um ao outro como sucedâneos da mão direita do acariciado. Na comida têm-se súbitos flashes de prazer gorduroso e adocicado. E, no corpo, roupas confortáveis, móveis acolchoados e um cérebro vazio, ou cheio de futilidades que dois dias depois não fazem mais sentido algum.

Assim é a decadência, social ou pessoal. Mas uma não implica necessariamente na outra, ainda que a facilite. É bem mais difícil não se deixar cair nessas onipresentes tentações quando a sociedade perdeu o próprio sentido, como ocorre com qualquer sociedade em decadência, e empregou, como emprega a nossa, todo o seu vasto poder na oferta de bugigangas e prazeres baratos. Uma visita ao supermercado é um passeio por territórios de gula inimagináveis para qualquer outra ocasião da história humana. Talvez Herodes tenha tido à sua disposição o equivalente a um ou dois metros das prateleiras de um mercadinho moderno, mas mesmo isso já é improvável. No telefone, sempre no bolso, programinhas dedicados ajudam a buscar quem nos masturbe naquela noite; se nada der certo, continua presente como sempre a prostituição. É a mais antiga das profissões e, provavelmente, será a que mais há de durar. A parusia há de interromper vários programas, mesmo que todo o resto da terra seja um amontoado de ruínas radioativas.

A questão que se coloca, na verdade, é como escapar disso. Como viver neste mundo sem ser deste mundo? Esta pergunta fazia sentido no fim do Império Romano e faz ainda mais sentido agora, quando este mundo não fica mais do lado de fora da porta. As telas de celulares, tevês e computadores o trazem até mesmo ao banheiro e para debaixo das cobertas. Crianças de hoje são castigadas com horas “sem telas”, em que não podem ter acesso a nenhuma delas. Assim se as corta do mundo.

Cada um de nós precisa exercer continuamente a opção de não se deixar levar. Precisa fazer força, e não pouca, para afastar-se do sexo masturbatório, que só tem em comum com o sexo conjugal o uso das mesmas partes do corpo. Na verdade, o sexo casual da decadência moderna é mais próximo do ato de defecar que do ato amoroso. E, escapando dele, temos ainda de escapar das miríades de oportunidades de gula, tão presentes que o problema maior de saúde de hoje é como evitar a obesidade mórbida. E, escapando desta a duras penas, temos de conseguir escapar da alfafa cerebral proporcionada pela infinitude de pequenos prazeres e pequenas sensações falsas de ter entendido algo importante que nos são dadas pelas redes sociais. A decadência da sociedade facilita tremendamente a decadência pessoal.

Ainda há livros, mas cada vez menos gente consegue prestar atenção a uma só coisa durante tanto tempo. Ainda há ingredientes à venda para fazer uma boa comida, e amigos e parentes para partilhá-la à mesa. Mas quem consegue fazê-los desligar os celulares? E ainda há a possibilidade de resguardar-se e não tratar nossa sexualidade como se houvéssemos achado no lixo nossa genitália. Mas quem consegue, mais ainda quando a pornografia consegue imiscuir-se em tantos aspectos da vida social?

É uma guerra composta exclusivamente de batalhas morro acima, uma guerra incessante, constante: a guerra por fazer de nós mesmos mais que meros componentes das estatísticas da decadência social. Temos de conseguir escapar da decadência social para que escapemos da decadência pessoal. Ou, como o guru indiano, acabaremos fazendo até mesmo de exorcismos mera desculpa para conseguir, às custas dos outros, uns breves segundos de improdutivo frisson orgásmico. Poucas coisas poderiam ser mais tristes que isso.
Por Carlos Ramalhete 
Foto: Shammi Mehra/AFP 
Publicado originalmente em: http://www.gazetadopovo.com.br

domingo, 6 de maio de 2018

TURQUIA TEM COMO ALVO A GRÉCIA, DE NOVO

Visto a captura e ocupação ilegal do Norte de Chipre em 1974 e também da cidade síria de Afrin em março deste ano, sem que houvesse, virtualmente, nenhuma reação global, a Turquia, ao que tudo indica, se sente livre, desimpedida e ansiosa para dar prosseguimento, desta vez, de olho nas ilhas gregas ricas em petróleo e gás.


"Ter interesses no Iraque, Síria, Líbia, Crimeia, Karabakh, Bósnia e outras regiões fraternas é, ao mesmo tempo, dever e direito da Turquia. A Turquia não é somente a Turquia. O dia em que desistirmos dessas coisas será o dia que desistiremos da nossa liberdade e do nosso futuro." — presidente turco Recep Tayyip Erdogan em 2016.

As necessidades turcas são, na realidade, abastecidas via sua ligação com os EUA. As autoridades turcas geralmente conseguem seja lá o que for do Ocidente, mas a impressão é que optaram em se alinhar ao Irã e à Rússia, provavelmente para chantagear o Ocidente por mais benesses.
--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

A Turquia continua sistematicamente desafiando a Grécia. Mais recentemente, em 17 de abril, dois caças turcos acossaram o helicóptero no qual viajava o primeiro-ministro grego Alexis Tsipras e o chefe das Forças Armadas gregas almirante Evangelos Apostolakis, ao voarem da pequena ilha de Ro para Rodes.

Visto a captura e ocupação ilegal do Norte de Chipre em 1974 e também da cidade síria de Afrin em março deste ano, sem que houvesse, virtualmente, nenhuma reação global, a Turquia, ao que tudo indica, se sente livre, desimpedida e ansiosa para dar prosseguimento, desta vez, de olho nas ilhas gregas ricas em petróleo e gás.

Imagem gerada por computador do incidente de 17 de abril no qual caças turcos acossaram o helicóptero em que viajava o primeiro-ministro grego Alexis Tsipras e caças gregos se aproximando para protegerem o helicóptero. (Imagem: captura de tela de vídeo da 'A News')



Outra provocação do governo turco teve lugar recentemente quando três jovens gregos prestavam homenagem a um piloto morto, hasteando cinco bandeiras em ilhotas no mar Egeu.

Segundo a mídia turca, primeiramente a Turquia pediu à Grécia que retirasse as bandeiras, em seguida empreendeu uma operação militar contra a minúscula ilha de Mikros Anthropofagos durante a noite: unidades especiais (SAT) da Marinha da Turquia supostamente retiraram as bandeiras em 15 de abril.

"Não tome medidas arriscadas", advertiu o ministro das Relações Exteriores da Turquia Mevlüt Çavuşoğlu à Grécia: "nossos soldados poderão provocar um acidente."

Inúmeros órgãos de imprensa turcos cobriram orgulhosamente a operação como se a Turquia, em uma batalha triunfante, tivesse conquistado novas terras. A mídia grega, no entanto, reportou que, de acordo com testemunhas que se encontravam nas redondezas, todas as cinco bandeiras, ao que parece, continuam hasteadas.

As ilhas do mar Egeu que a Turquia continua ameaçando invadir pertencem legal e historicamente à Grécia.

Desde que o presidente turco Recep Tayyip Erdogan visitou a Grécia em dezembro passado, a mídia turca intensificou sua campanha contra a Grécia, se posicionando a favor da guerra no tocante "à ocupação grega das ilhas". Alguns jornais afirmamque "a Grécia se tornou lar de terroristas hostis à Turquia". Outros dizem que "a Grécia está planejando invadir a Turquia". Colunistas ressaltam que "a Turquia poderá entrar em confronto com a Grécia no mar Egeu", outros ainda acusamfuncionários consulares gregos em Istambul de procurarem reviver o império bizantino grego por meio de uma exposição que o consulado grego organizou em Istambul, aberta de dezembro de 2017 a janeiro de 2018.

Por que a obsessão de tantos turcos em relação à Grécia?

Em 1923 após um maciço ataque contra os gregos da Anatólia, o genocídio de 1913 a 1923, foi fundada a república turca. Desde então, os objetivos expansionistas da Turquia parecem se inspirar na história de uma aparente agressão, ódio aos gregos, neo-otomanismo e uma tradição islâmica de conquista ou de jihad.

A partir de meados do século XV até a proclamação da primeira república helênica em 1822, as fronteiras da Grécia moderna foram ocupadas pelo Império Otomano. Erdogan tem sido aberto sobre seus objetivos de ressuscitar o Império ou pelo menos expandir o território turco, tanto quanto possível:


"Há fronteiras físicas e há fronteiras em nossos corações", salientou ele. "Somos interpelados: 'por que vocês têm interesse no Iraque, Síria, Geórgia, Crimeia, Karabakh, Azerbaijão, os Bálcãs e o Norte da África?'... Nenhuma dessas terras é alheia a nós. É possível separar Rize (Turquia) de Batumi (Geórgia)? Como podemos considerar Edirne (Turquia) separada de Tessalônica (Grécia)? Como podemos achar que Gaziantep (Turquia) não tem nada a ver com Alepo (Síria), Mardin (Turquia) com Al-Hasakah (Síria) ou Siirt (Turquia) com Mossul (Iraque)?

"De Trácia à Europa Oriental, a cada passo que se dá, é possível encontrar vestígios dos nossos ancestrais... Teríamos que negar nosso próprio íntimo para imaginarmos que Gaza e a Sibéria, com os quais falamos a mesma língua e compartilhamos a mesma cultura, estão separadas de nós. Ter interesses no Iraque, Síria, Líbia, Crimeia, Karabakh, Bósnia e outras regiões fraternas é, ao mesmo tempo, dever e direito da Turquia. A Turquia não é somente a Turquia. O dia em que desistirmos dessas coisas será o dia que desistiremos da nossa liberdade e do nosso futuro".

Erdogan também se referiu ao Misak-ı Milli ("Pacto Nacional"), um conjunto de decisões tomadas pelo parlamento otomano em 1920 relativo às fronteiras do futuro estado turco a ser estabelecido na Turquia Otomana. Os turcos normalmente se referem ao Pacto Nacional quando acenam para a expansão territorial turca.

O jornal turco Hürriyet realça:

"Há historiadores que afirmam que de acordo com o Pacto Nacional, faz parte das fronteiras turcas, além das fronteiras atuais da Turquia, Chipre, Alepo (Síria), Mossul, Erbil, Kirkuk (Iraque), Batumi (Geórgia). Tessalônica (Grécia), Kardzhali, Varna (Bulgária) e as ilhas do mar Egeu."

Em 18 de abril, o Ministério das Relações Exteriores turco afirmou que "as rochas de Kardak (ilhotas Imia da Grécia) e suas águas territoriais bem como seu espaço aéreo são exclusivos da soberania turca."

Os principais partidos políticos da Turquia estão alinhados em seu desejo de invadir as ilhas do Mar Egeu, o que eles discordam, acima de tudo, é quanto ao culpado de ter permitido a soberania grega sobre as ilhas. O principal partido de oposição, CHP (Partido Republicano Popular), acusa o AKP (Partido da Justiça e do Desenvolvimento) de "deixar os gregos ocuparem as ilhas turcas", o AKP acusa o CHP, partido fundador da Turquia, de "deixar os gregos tomarem as ilhas através do tratado de Lausanne de 1923".

As buscas da Turquia por novas conquistas econômicas advindas da indústria do turismo, mas principalmente do recém-descoberto potencial de petróleo e gás do mar Egeu, parecem ter intensificado e renovado o interesse da Turquia em relação à Grécia.

Em 2011, após enfrentar uma crise econômica, a Grécia relançou a exploração de gás e petróleo. No ano passado, segundo a Reuters, a empresa francesa Total e a italiana Edison assinaram um contrato de leasing para a exploração de petróleo e gás na Grécia.

Embora a Grécia possa estar disposta a fazer parceria com a Turquia no campo econômico, a Turquia pelo jeito prefere "outros meios".

As necessidades turcas são, na realidade, abastecidas via sua ligação com os EUA. As autoridades turcas geralmente conseguem seja lá o que for do Ocidente, mas a impressão é que optaram em se alinhar ao Irã e à Rússia, provavelmente para chantagear o Ocidente por mais benesses.

Enquanto isso, os políticos turcos ameaçam a Grécia na TV estatal turca. Yiğit Bulut, conselheiro chefe de Erdogan, salientou recentemente que ele quer vingar o sangue de seu avô, que ele alega ter sido morto pelos gregos:


"A Anatólia (Turquia) vai pisotear toda a Grécia. E ninguém pode impedir isso. A Grécia deveria se retirar à sua insignificância. Se os gregos tentarem atacar e estuprar a geografia como fizeram há 100 anos, confiando no presidente francês Macron, na Inglaterra, nos EUA, na Alemanha e em Angela Merkel, as coisas acabarão muito mal".

A hora de dar um basta à Turquia é agora.

Por: Uzay Bulut, jornalista turca nascida e criada na Turquia. Atualmente ela está radicada em Washington D.C. 22 de Abril de 2018
Original em inglês: Turkey Targeting Greece - Again
Tradução: Joseph Skilnik  Do site: https://pt.gatestoneinstitute.org

sábado, 5 de maio de 2018

OSVALDO ARANHA: O BRASILEIRO POR TRÁS DA CRIAÇÃO DO ESTADO DE ISRAEL


O diplomata foi considerado fundamental para a decisão da ONU na criação do Estado Judeu, em 1948

O político e diplomata brasileiro, Oswaldo Aranha, então ministro da Fazenda, durante uma entrevista coletiva no Rio de Janeiro, em 1953 ARQUIVO/ESTADÃO CONTEÚDO/AE


No centro de Jerusalém, ao lado de um cemitério muçulmano, uma praça leva o nome do brasileiro Oswaldo Aranha (1894-1960). 

Ele é homenageado por israelenses porque presidiu, em 1947, uma sessão especial da Assembleia-Geral da ONU e apoiou a partição da Palestina britânica, evento que levou à criação do Estado de Israel, em 1948. A resolução também previa um Estado árabe, ainda inexistente. 

O brasileiro é considerado fundamental para a decisão da ONU por ter feito lobby por um voto positivo. Ele foi nomeado ao Nobel da Paz. 

Por ter presidido aquela sessão, Oswaldo Aranha inaugurou também uma tradição seguida até hoje pelas Nações Unidas: a de que o chefe da delegação brasileira seja o primeiro a discursar na reunião. 

A ONU era, àquela época, um órgão recente e tinha feito poucas discussões oficiais. A sede atual ainda não estava em uso. 

Há, no entanto, visões conflitantes sobre o legado do brasileiro. 

Por um lado, louva-se o trabalho do diplomata pela partição da Palestina britânica, mas historiadores apontam também que ele participou da decisão de o Brasil negar vistos a judeus, enquanto a Alemanha perseguia o povo. 

Um dos estudos mais citados é o da professora da Universidade de São Paulo Maria Luiza Tucci Carneiro, autora de "O Antissemitismo na Era Vargas" (editora Perspectiva, 540 págs., R$ 67) e de outras obras sobre esse tema. 

As pesquisas, no entanto, não reduziram o afeto sentido em Israel pelo personagem histórico. 

Além da praça em Jerusalém, há lembranças no kibutz Bror Chail. Esse kibutz —nome dado a comunidades coletivas em Israel— está localizado próximo à faixa de Gaza e abriga uma comunidade expressiva de brasileiros. 

O Bror Chail diz guardar ali, entre suas construções, o martelo utilizado por Oswaldo Aranha em uma das sessões da ONU.
Jerusalém 
Por: Diogo Bercito  Folhapress Do site: www.gazetadopovo.com.br


PODER PARALELO - A FORÇA DO CRIME NO BRASIL

segunda-feira, 30 de abril de 2018

TEORIA DA CONSPIRAÇÃO DIZ QUE EUA ATACAM SÍRIA PELO PETRÓLEO. A VERDADE É OUTRA


Tese que circula na internet afirma que Estados Unidos estão contra a Síria pois precisam de uma rota mais curta para trazer o petróleo do Oriente Médio. País tem interesses na região, mas eles são outros

Imagem da teoria da conspiração que anda circulando pela internet: falsa Reprodução


Nos últimos dias, uma imagem tomou a internet brasileira de assalto, com um mapa-múndi cortado por supostas rotas de petróleo e oferecendo uma justificativa para o maior envolvimento dos Estados Unidos na Guerra da Síria nos últimos meses: após uma eventual vitória na queda de braço com a Rússia pela influência sobre o país, o governo norte-americano poderia substituir a rota atual – que dá a volta na África, pelo Cabo da Boa Esperança – pela alegada “nova rota pela Síria”, basicamente uma linha reta desde o Mediterrâneo até a Costa Leste dos EUA. Dessa forma, seria mais fácil tirar o petróleo do Oriente Médio para satisfazer as necessidades da indústria norte-americana. 

Afinal, os boatos da internet fazem algum sentido? A seguir, explicamos por que a suposta rota síria não é um objetivo verdadeiro, e quais os interesses reais de Washington na zona. 
De onde vem o petróleo usado pelos americanos 

O mapa compartilhado nas redes sociais acerta em uma coisa: hoje, grande parte do petróleo saído do Oriente Médio chega aos Estados Unidos – e à América do Sul – circulando o Cabo da Boa Esperança, como mostra um levantamento feito pela Universidade Northwestern.

A viagem leva em torno de três semanas. Apresentado como alternativa pelos críticos do mapa que circulou na internet brasileira, o Canal de Suez (localizado no Egito, ligando o Mediterrâneo ao Mar Vermelho) não é priorizado nessa rota por duas razões principais: pelo grande tráfego que atrasaria a viagem, já que é o caminho marítimo principal para o petróleo chegar à Europa, e pelo fato de que os maiores navios petroleiros – preferidos nas viagens transatlânticas – já não conseguem atravessá-lo atualmente.

No entanto, a premissa de que os Estados Unidos dependem do petróleo do Oriente Médio é equivocada. Argumento muito utilizado no início da Guerra do Iraque, em 2003, o interesse nas reservas de petróleo da região por parte do governo norte-americano se enfraqueceu ao longo dos últimos quinze anos, conforme novas tecnologias aumentaram a produção interna para níveis que se aproximam dos recordes históricos.

Hoje, considerando a balança de exportações e importações de petróleo e derivados por parte dos EUA, apenas 19% do que é consumido no país vem do exterior – o volume mais baixo dos últimos 50 anos, segundo dados da Administração de Informação Energética (EIA, na sigla em inglês) do governo americano. 

Mais do que isso: a imensa maioria do petróleo cru e derivados vindo de terras estrangeiras sai de nações que já são parceiras dos Estados Unidos, e quase metade dele vem por terra – através de oleodutos e gasodutos – desde o Canadá e o México, que juntos são responsáveis por quase 47% das importações. No ano passado, apenas 17% desse total veio dos países do Golfo Pérsico, e a maior parte disso saiu da Arábia Saudita, maior produtora da região e com quem Washington já tem laços políticos e comerciais bem estabelecidos. 

Outro parceiro importante dos EUA no mercado energético surpreende quem sustenta um discurso político simplista: mesmo em crise e com um forte tom ideológico antiamericano, a Venezuela passou a última década sendo a terceira maior exportadora de petróleo para os Estados Unidos, atrás somente dos canadenses e dos sauditas (com a produção em declínio, no ano passado o país de Nicolás Maduro caiu uma posição e foi superado pelo México). De todo modo, a importação de petróleo e derivados tem cada vez menos relevância no funcionamento da economia estadunidense. 
Como os EUA reduziram sua dependência

Grande parte dos nossos equívocos sobre uma suposta escassez de petróleo nos Estados Unidos vem de uma antiga teoria criada pelo geólogo da indústria petrolífera Marion King Hubbert.

Nos anos 50, analisando as reservas conhecidas, ele previu que os EUA atingiriam o ápice da produção interna em algum ponto no início da década de 70, e a partir dali haveria um declínio continuado até a extinção do recurso – com o país dependendo cada vez mais de importações.

E, por mais de meio século, a profecia de Hubbert se confirmou: após atingir um pico de 9,63 milhões de barris de petróleo produzidos por dia em 1970, os EUA viram sua produção diminuir gradativamente nas décadas seguintes. Em 2008, no ponto mais baixo desde então, a produção já havia baixado para 4,99 milhões de barris diários. 

A previsão de Hubbert e a forma como ela parecia acertada esteve por trás de grande parcela dos movimentos geopolíticos na segunda metade do século 20 – tanto por parte da Casa Branca quanto dos países que para ela exportavam.

A Opep (Organização dos Países Exportadores de Petróleo) passou a operar em 1961. Desde 1973, quando geraram sua primeira grande crise internacional ao quadruplicar o preço do barril, as nações exportadoras passaram a influenciar os preços da commodity de modo a conquistar maior poder de barganha no cenário mundial. O jogo da Opep e a crescente dependência dos Estados Unidos levou a parcerias ainda hoje questionadas, como a mantida com a dinastia saudita, e a campanhas militares que – entre outras motivações – ajudaram a evitar uma diminuição do acesso americano às reservas conhecidas no Oriente Médio, como a Guerra do Golfo (1990-91) e a Guerra do Iraque (2003-2011). 

A Guerra da Síria, porém, chega em um novo momento dessa história. Hoje, sabe-se que a curva de Hubbert estava errada, por uma razão fundamental: é impossível fazer o cálculo de quando haverá o “pico” de produção enquanto existirem reservas desconhecidas. O petróleo é um recurso não-renovável, mas ainda há depósitos inexplorados e não encontrados.

Foi o que aconteceu nos Estados Unidos: o desenvolvimento de novas técnicas de escavação e o chamado fracking, o fraturamento hidráulico de rocha, permitiu a extração de óleo cru em regiões antes inviáveis dentro do território nacional. Após a baixa de 2008, os EUA passaram a última década vendo sua produção subir vertiginosamente e quase dobrar – em 2017, foram 9,32 milhões de barris por dia, números muito próximos do recorde de 1970, e a tendência é que aquela marca seja superada em breve. 
O que está em jogo 

Isso não quer dizer que os Estados Unidos estejam envolvidos na Síria apenas por preocupações humanitárias, nem que não existam interesses políticos e econômicos em jogo – eles são, no entanto, mais complexos do que o sugerido pelo mapa das rotas de petróleo que se vê nas redes sociais.

O general da reserva americano Wesley Clark, que chegou a ser Comandante Supremo da OTAN (Organização do Tratado do Atlântico Norte) no final dos anos 90, declarou que a Síria estava no mapa de possíveis intervenções dos EUA desde as primeiras semanas após o 11 de setembro de 2001, como parte do conjunto de governos que deveriam ser derrubados para assegurar o controle norte-americano sobre a região. 

Hafez al-Assad, pai do atual ditador Bashar al-Assad, governou o país entre 1971 e 2000 e era aliado soviético. Seu filho, no poder desde a sua morte, manteve a fidelidade à Rússia. Temia-se ainda que os países fora da zona de influência norte-americana fossem berço de grupos terroristas.

De acordo com documentos vazados pelo Wikileaks, há indícios de operações secretas dos Estados Unidos no país desde pelo menos 2006, buscando a desestabilização do regime. Outros vazamentos sugerem que americanos e britânicos estiveram envolvidos no treinamento de forças rebeldes sírias em 2011, logo no início da atual guerra civil no país.

Nos vários anos após o início do envolvimento norte-americano na Síria, a situação se transformou. Hoje, a disputa de poder com a Rússia envolve não só um embate pela influência no Oriente Médio propriamente dito, uma herança da Guerra Fria, mas a redução da principal carta geopolítica que Vladimir Putin guarda hoje em sua manga – a dependência energética da Europa em relação ao petróleo e derivados extraídos em território russo e de suas nações-satélite. 

Na atualidade, quase 39% das importações de óleo cru feitas pela União Europeia vêm da Rússia e de outras ex-repúblicas soviéticas que permanecem na sua zona de influência, como o Azerbaijão e o Cazaquistão. Uma dependência semelhante da Europa em relação aos hidrocarbonetos russos é observada em um dos principais derivados do petróleo, o gás natural, que é importado da Rússia na mesma proporção.

Em 2009, os governos do Catar e da Turquia propuseram a construção de um longo gasoduto que atravessaria a Península Arábica e, antes de entrar na Europa, precisava cruzar o território sírio. Junto com outro gasoduto proposto ligando a Turquia e a Áustria, conhecido como Nabucco, a nova infraestrutura ajudaria a diminuir a dependência da Europa em relação aos recursos vindos da Rússia. Bashar al-Assad, porém, vetou o projeto bilionário. 

Desde o início da guerra civil, o Catar tem sido o país mais envolvido do Oriente Médio no financiamento de grupos rebeldes que buscam a derrubada de Assad, com a participação norte-americana se reduzindo originalmente às ações encobertas e secretas.

Mas, em setembro de 2015, o início da intervenção militar russa em solo sírio levou o conflito a um novo patamar – cogitado por Barack Obama, o envolvimento direto dos Estados Unidos no país começou a se tornar realidade com os bombardeios a bases militares e científicas sírias ordenados durante o governo de Donald Trump, iniciados no ano passado e intensificados nas últimas semanas. 

Oficialmente, os ataques respondiam ao uso de armas químicas e biológicas por parte de Assad contra a população civil, mas alguns analistas veem esses episódios como um pretexto para garantir os interesses norte-americanos na área. Interesses que existem, mas não são tão simples como os memes das redes sociais podem sugerir. 
Por: Maurício Brum * especial para a Gazeta do Povo * Colaborou Juan Ortiz.
Do site:www.gazetadopovo.com.br 

sexta-feira, 20 de abril de 2018

PARAGUAI REINVENTA ECONOMIA E VAI DE "PRIMO POBRE" A ESTRELA DA AMÉRICA LATINA


País vizinho se destaca no continente com inflação controlada, desemprego baixo e crescimento constante

Visto durante muito tempo como o “primo pobre” da América do Sul, o Paraguai apareceu em Davos, no Fórum Econômico Mundial, como a grande estrela da região. E com razão. Em menos de uma década, a economia paraguaia se reinventou, conseguiu atrair investimentos estrangeiros e crescer com o apoio do agronegócio. O resultado é um desempenho de fazer inveja aos vizinhos, que andam patinando para sair da crise.

A transformação está nos números. A economia paraguaia experimentou um crescimento de 14% em 2013 (o Brasil cresceu 2,3%) e 4,7% no ano seguinte, enquanto a América do Sul cresceu, respectivamente, apenas 3,3% e 0,7%. Mesmo desacelerando, o PIB do Paraguai fechou 2015 com alta de 3% e, segundo projeção do Fundo Monetário Internacional (FMI), deve crescer 3,5% em 2016. A inflação segue controlada, próxima de 5%, e a taxa de desemprego do país está em queda. 

No Brasil, por outro lado, a recessão bateu forte nesse período, com a inflação e o desemprego atingindo níveis recordes. Em 2015, o PIB brasileiro encolheu 3,8% e a inflação chegou a 10,6%. Em 2016, é esperada uma retração de 3,5% no nosso PIB. 

Resiliente em meio à crise, o Paraguai recebeu elogios até do FMI. Em seu último relatório sobre o país, o fundo destacou a política fiscal do Paraguai como um importante elemento de apoio à atividade econômica do país. O déficit orçamentário do governo atingiu 1,7% do PIB, levemente acima do teto de 1,5% estabelecido pela lei de responsabilidade fiscal. O Paraguai tem um dos menores índices de endividamento público do mundo, com 23% de dívida bruta sobre o PIB. O índice estimado do Brasil é de 73%, enquanto a média dos demais países do Mercosul é de 54%, segundo a Confederação Nacional da Indústria (CNI) do Brasil.
Ambiente ideal

Com crescimento, baixa inflação e finanças públicas sólidas, o Paraguai conseguiu criar um ambiente favorável à atração de investimentos estrangeiros no qual vigoram regras estáveis, benefícios fiscais, baixa carga tributária (cerca de 10% do PIB contra 33,4% do PIB no Brasil) e custos bastante competitivos, sobretudo com energia e mão de obra. Não demorou muito para que as empresas brasileiras e de outros países vizinhos descobrissem esse oásis de benesses quase no quintal de casa, explica professor de economia do Insper, Otto Nogami. 

Impulsionado pela Lei de Maquila – criada no ano de 2000 para incentivar a instalação de empresas estrangeiras no país – o movimento de migração de companhias para o Paraguai se acentuou a partir de 2013, quando a economia brasileira começou a ser deteriorar. O regime fiscal de Maquila oferece isenção de impostos às empresas estrangeiras para importação de máquinas, equipamentos e matéria-prima. Em contrapartida, a empresa precisa exportar 100% de sua produção até completar o primeiro ano no regime e paga um imposto único de 1% sobre a sua fatura de exportação. Para acessar tais benefícios, contudo, a empresa precisa manter a operação no país de origem. 

Ao todo, desde 2013, a Confederação Nacional da Indústria (CNI) já realizou sete missões ao Paraguai envolvendo cerca de 390 empresários brasileiros de distintos setores. Desses, 60% já desenvolveram ou estão desenvolvendo algum tipo de parceria comercial ou de investimento no Paraguai. Ao todo, 120 empresas brasileiras estão instaladas lá, sendo 85 amparadas pelo regime de Maquila. 

“Lá as empresas brasileiras têm mais vantagens para acessar determinados mercados. O setor têxtil consegue acessar toda a Europa com alíquota praticamente zero. No Brasil seria de 25% a 36%, dependendo do produto”, destaca Sarah Saldanha, gerente de Serviços de Internacionalização da CNI. A ideia, contudo, é que as empresas brasileiras possam aproveitar as vantagens oferecidas pelo Paraguai para impulsionar seus negócios no Brasil, num relação de complementaridade, e não migrar definitivamente para lá, ressalta Sarah.

Energia e mão de obra mais baratas atraem empresas brasileiras

A lista de companhias brasileiras que migraram parte de sua operação para o Paraguai tem nomes conhecidos como Vale, Eurofarma, Riachuelo, JBS, Bourbon e Buddemeyer, mas também empresas menos conhecidas que encontraram no vizinho guarani uma chance manter as portas abertas e prosperar. Lá, além de incentivos fiscais, as companhias brasileiras encontraram mão de obra e energia mais baratas. Para ter uma ideia, a soma dos encargos trabalhistas torna o custo unitário de mão de obra no Brasil entre 100% e 135% mais caro que no Paraguai. A energia, por sua vez, é quase 70% mais em conta do que aqui, ressalta Edson Campagnolo, presidente da Federação das Indústrias do Paraná (Fiep). Só em 2016, a entidade conduziu três missões com cerca de 60 empresários paranaenses para o Paraguai. 
Parceria antiga

De acordo com a CNI, a corrente de comércio entre Brasil e Paraguai cresceu quase 120% no acumulado dos últimos dez anos, totalizando US$ 3,3 bilhões em 2015. O Brasil é superavitário em quase US$ 1,6 bilhão e as vendas ao Paraguai são compostas por mais de 93% de bens manufaturados. O Paraguai é o 5º principal destino das exportações brasileiras de produtos desse tipo. O Brasil, por sua vez, ainda é a principal origem das importações do Paraguai, fornecendo 25% do total importado pelo país em 2015), mas o valor vem caindo nos últimos anos com o aumento da concorrência com a China.

Gargalos e limitações do país ameaçam onda de crescimento

Apesar da perspectiva positiva para os próximos anos, o crescimento da economia paraguaia deve encontrar barreiras. Por exemplo, a baixa qualificação da mão de obra paraguaia, destaca o professor de economia do Insper Otto Nogami. 

O FMI faz o mesmo alerta em seu relatório. Até agora, segundo o fundo, os sólidos fundamentos macroeconômicos – com crescimento baixa inflação e conta públicas estváveis -, além de demografia favorável, menor custo de importação de petróleo e setor elétrico competitivo, ajudaram a sustentar o crescimento do país no curto prazo. Já no ano passado, contudo, a economia experimentou uma perda de impulso, em grande parte ligada à desaceleração do preço das commodities.

No médio prazo, as ameaças ao crescimento aumentaram, principalmente do lado externo, com o risco de um declínio mais profundo do Brasil ou um recuo ainda maior do preço das commodities agrícolas, alerta o FMI. Para Nogami, o plano de atração de investimentos, um dos motores do PIB paraguaio, tende a ficar limitado pelas deficiências estruturais e gargalos do país. Neste sentido, a recomendação do FMI ao vizinho guarani é que o país encare alguns desafios prioritários e promova um crescimento mais inclusivo, reduzindo a pobreza, fortalecendo os quadros políticos e aumentando a produtividade.

Desempenho invejável

Com inflação controlada e desemprego em queda, o PIB paraguaio cresce a taxas de fazer inveja nos vizinhos da América Latina, puxado, principalmente por boas safras de soja no campo e investimentos estrangeiros na indústria.
PIB


Em %

PIB PER CAPITA


Em milhares US$

INFLAÇÃO


Em %

TAXA DE DESEMPREGO


% da mão de obra total



*projeções

Fonte: Fundo Monetário Internacional. Infografia: Gazeta do Povo.Albari Rosa/Gazeta do Povo